Embora no Brasil os números da pandemia ainda não demonstram tendência de queda, mas a retomada das atividades econômicas vem acontecendo. 

Algumas perguntas estão na cabeça do empresário: Como fica o futuro da empresa? Como trabalhar com o caixa, muitas vezes negativo, nos próximos meses?

O nosso escritório, apresenta alternativas eficientes para garantir a redução de custos e a reestruturação financeira que será necessária a muitos negócios.O momento atual deixou claro a todos os portes de empresas e a todos os segmentos que estrutura e planejamento financeiros são fundamentais para a gestão empresarial. E, especialmente, para os negócios que não tinham, até agora, cultura de planejamento financeiro.

Veja as nossas sugestões para auxiliar as pequenas empresas nesta retomada:

Aposte em estruturação financeira: conhecer os números da tesouraria, como contas a pagar, a receber e o fluxo de caixa, pode parecer um dever de casa óbvio, mas nem sempre é praticado pelos empresários. Muitas empresas ainda guiam seus negócios pelo saldo bancário, o que dificulta a alocação correta dos recursos da empresa, fator fundamental neste momento. A capacidade de condução financeira da empresa será o diferencial nestes meses que seguirão com baixo fluxo de negócios;

Separe os orçamentos pessoais dos da empresa: É bastante comum que o empresário do pequeno negócio trate a empresa como extensão de sua conta corrente. Sem a efetiva separação entre orçamentos pessoais e da empresa, os compromissos pessoais acabam sendo suportados pelo caixa da empresa, de forma desestruturada, o que inviabiliza o planejamento financeiro;

Tenha seus números em vista na hora de formar preços: sem os alicerces básicos dos dois tópicos anteriores, formar preço pode ser uma tarefa bastante complicada, o que pode ter grande impacto na retomada. Formar preços de acordo com a concorrência ainda é uma atitude comum entre os pequenos negócios, mas pode ocasionar margens baixas ou lucro nulo;

Desenvolva um fluxo de receitas e despesas: o empresário deve projetar e acompanhar o seu fluxo futuro de receita e despesas. Com este acompanhamento em mãos, conseguirá se antecipar em eventuais problemas, com uma boa programação de fluxo de caixa e abrindo a possibilidade de negociação de prazos e condições junto a fornecedores;

Tenha o contador como seu parceiro: com a organização financeira da empresa, que deve ser feita com o apoio da contabilidade, é possível visualizar os caminhos mais adequados para cada tipo de negócio. Nesta etapa, o contador é essencial para dar suporte no desenvolvimento do planejamento financeiro e nas diretrizes para os próximos meses de operação. A atuação do contador deve ir muito além da geração de guias e holerites de funcionários.

Outras alternativas podem ser programadas pelo pequeno empresário, como a recuperação de créditos tributários e a busca por linhas de créditos específicas para pequenas e médias empresas.

A hora é de repensar o negócio e construir os alicerces que nortearão os próximos passos da empresa.